SEJA BEM VINDO! RR ADVOCACIA
O Brasil está em Luto pela Vítimas de Brumadinho. Que Deus de forças as Famílias. Esperamos pela Justiça!
Assistir a uma injustiça e nada fazer para a impedir, faz de você tão culpado como quem a comete.
Estamos em LUTO!

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao acompanhamento do seu processo.

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,86 3,86
EURO 4,32 4,32

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Mulher que atropelou namorado é condenada por homicídio

Pena fixada em 15 anos de reclusão.           A Vara do Júri e Execuções Criminais de São Bernardo do Campo condenou uma mulher pelo crime de homicídio. A ré atropelou a vítima, seu namorado, duas vezes após uma discussão. A pena foi fixada em 15 anos de reclusão, em regime inicial fechado.         Consta nos autos que, no dia dos fatos, o casal participava de uma festa de Carnaval. Eles começaram a discutir e a vítima se afastou após ter a camisa rasgada. Em seguida, a mulher entrou no carro e dirigiu até onde estava o companheiro. Na sequência, acelerou e o atropelou. Depois deu ré e o atropelou mais uma vez. O homem faleceu, mesmo com a chegada da equipe de resgate. A mulher tentou fugir, mas foi contida por quem estava no local.         Após os jurados votarem pela condenação, o juiz que presidiu o júri, Fernando Martinho de Barros Penteado, estabeleceu a pena. “A confissão da ré não deve ser reconhecida, pois a acusada não admitiu ter praticado o crime, tendo apresentado justificativa de que conduzia normalmente o veículo e foi a vítima quem se projetou na frente de seu automóvel. Logo, a admissão de tal conduta não pode ser equiparada a uma admissão de um delito, pois a conduta (atropelamento sem intenção) é atípica”.         “Com efeito, considerando as circunstâncias particulares do caso concreto, há indicativos plausíveis de periculosidade evidenciada pela conduta cruel contra pessoa de que se relacionava. Portanto, é necessária a manutenção da custódia processual para garantia da ordem pública diante da periculosidade da ré”, completou o magistrado.         Cabe recurso da decisão.           Processo nº 00003434420178260537                    imprensatj@tjsp.jus.br
16/05/2019 (00:00)
Visitas no site:  509022
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.